Início / Rap Angola / Biografia do Rapper e Ativista angolano Marshall Liricista

Biografia do Rapper e Ativista angolano Marshall Liricista

Marshall Liricista é um Rapper Angolano e Ativista político.

João Carlos da Silva, conhecido por “Marshall Liricista,” aka Mc de Essência, aka Kamba dya Muenhu, aka Irmão João Carlos, nasceu no bairro de sambizanga, São Paulo, no dia 16 de julho de 1980 na província de Luanda, Angola.

Palavras com que desenhamos a paisagem dos nossos corações, com as tintas do vivido e a água de lágrimas, pintamos a realidade deste grande Rapper e Ativista Angolano “Marshall Liricista”.

“Marshall Liricista,” desde pequeno, viu seus direitos negados, pelo regime do ditador “Eduardo dos Santos” isto fez, com que o jovem, disperta-se um forte interesse, ao combate dos bloqueios e condicionalismos sociais e políticos que sua família enfrentava.

Ganhou gosto pela Cultura Hip Hop em 95/96, propriamente voltado a música “Rap” começou a ouvir Tupac, Krs One, Fox Brown, Racionais Mc’s, Facção Central, Pobres Sem Culpas, Black Buda, Mond Line, Bob Marley, David Zé, Luck Dube e Bizerra da Silva, estes foram os grupos, ou seja os grandes impulsionadores, para que o Rapper começasse a dropar, já que naquela altura, estes artistas já ocupavam um grande lugar de destaque e relevo.

Em fevereiro de 1993, pouco depois, do confronto organizado e patrocinado, pelo núcleo duro do regime do ditador Eduardo dos Santos, a família mudou-se para o bairro Marçal, um subúrbio de Luanda, a vida do jovem tornou-se mais dura, ter de lidar com o tráfico de drogas, assaltos a mão armada, prostituição e assassinatos ao domicílio, protagonizados pelos “Esquadrões da Morte” vulgo “Dinic” ou “Sic” isto foi suficiente para o Rapper e Ativista passar a compor letras da sua realidade, então conjuntamente em 1996 com dois amigos “Lágrimas Profundas” e “MJB” criaram o grupo de Rap “Tha JMC,” e gravaram a primeira faixa em uma pista, nos estúdios do Nho e Nhunha, “Tropas do Partido Maioritário” música essa que foi alvo de censura geral da média, o Rapper recebeu ameaças de morte.

Em fevereiro de 2000, “Dona Filomena” mãe do Rapper, decidiu envia-ló para República da África do Sul, para dar continuidade aos estudos, por motivos alheios a vontade de “Dona Filomena” e do “Rapper” as coisas não correram como previstas, o “Rapper” fez apenas à língua, e teve de ir trabalhar na obra, de referir que ficou na condição de refugiado, mais um sonho adiado, encontrou-se com o grupo “Pobre Sem Culpas” que já residiam em Capetown desde 1997 e passou a ensaiar com eles.

Em 16 de junho de 2002 o “Rapper” decidiu abandonar “África do Sul” e voltar para terra mãe “Angola” foi preso e condenado pelas autoridades Sul Africanas, por não possuir autorização para abandonar o “País” já que encontrava-se numa condição de asilado, cumpriu uma pena de três meses, no estabelecimento prisional de alta segurança “Mother B” em Benoni, Johanesburgo, a cadeia para o “Rapper” foi uma grande escola ou seja, lição de vida, passava a maior parte do tempo, dentro do presídio, escrevendo letras revolucionárias e a fazer freestyle, ganhou respeito e reconhecimento dentro do penal.

Em setembro de 2002 foi liberto, e em dezembro do mesmo ano, finalmente regressou para terra mãe “Angola” e decide fazer carreira à solo, em 2004 assina com a gravadora independente “MotherSongs” “Vitor” e “Hélio Morison” o “Rapper” gravou várias faixas, e ficaram apenas no circuito fechado, por causa da fraca divulgação. O “Rapper” também participou, da primeira edição do Concurso de freestyle, do Big Show Cidade.

Em maio de 2006, com o seu amigo de infância, Lágrimas Profundas, decidiram criar a “Rede Zero Fundação” com objetivo de dar suporte a novos talentos, receberam de braços abertos, o grande “Rapper” cheio de talento “Black Historiador” que não se fez tardar o mesmo tornou-se num aterrorizador das ruas, dominando as grandes rodas de freestyle momentâneo em “Luanda”, gravaram várias faixas, que também ficaram só pelo circuito fechado ,
por causa da fraca divulgação.

Em abril de 2008 assina pela gravadora “Beko Xtranho” “Dimensão Mágico” da qual, inicialmente produziram um single, “O Primeiro Milho É Para Os Pardais” também ficou sou no circuito fechado, pela fraca divulgação, Março de 2010, ambos decidiram dar início à produção do álbum “Até Que Enfim”, com suporte do grande “Rapper” “Dei Gonça o Pacote”.

Janeiro de 2011, teve de cancelar à produção do álbum “Até Que Enfim” para dedicar-se ao movimento revolucionário, nas grandes manifestações contra o regime do ditador “Eduardo dos Santos” pois o “Rapper” é de opinião, que eleições não derrubam ditaduras, e o lugar do oprimido é nas ruas, em agosto de 2013 já com muita estrada de manifestações contra o ditador, e uma certa visibilidade dentro do movimento revolucionário, foi visado pelos serviços de inteligência e segurança do regime do ditador “Eduardo dos Santos”, foi alvo de buscas e apreensão, na residência da sua mãe, Marçal parou, mais de 40 homens pra deterem um simples cidadão, o “Rapper” recebeu patrocínio jurídico, do escritório de advogados “Mãos Livres” através do Dr David Mendes, foi uma clara tentativa e demonstração de força, de parte do regime, do ditador “Eduardo dos Santos” com objetivo de parar a marcha do “Rapper “ou seja o ativismo político, mas sem sucesso, o “Rapper” não deixou-se intimidar e proseguiu a marcha.O Portal Maka Angola, do Ativista Angolano “Rafael Marques de Morais” Club K, Folha 8, Folha de São Paulo, Voz da America, reportaram os factos.

Em Janeiro de 2014, o Rapper é convidado para participar do primeiro e único álbum de originais da “Velha Escola do Hip Hop Nacional” participou com à faixa “Angola Profunda”, ainda em janeiro de 2014 na sua primeira e única atuação no “Elinga Teatro” quase que mandou abaixo a casa, os telespetadores receberam-lhe com muita explosão, em fevereiro de 2014 o “Rapper” foi convidado a apresentar dois temas na “Universidade Hip Hop”, e também foi recebido com muita explosão, por parte dos telespetadores, ainda em setembro de 2014, a Rede Zero Fundação, produziu o primeiro concerto e único do “Rapper” que contou com as performances de Simimi ni Moyo, Lil Jorge, Yung D, Mano António, Legezim, Intelektu, Pobres Sem Culpas, Black Historiador e Lágrimas Profundas, ao som do Dj Nkkapa.

Em Janeiro de 2015, regressa a produção do álbum “Até Que Enfim” em janeiro de 2015, recebe o convite do grande “Rapper” e pioneiro do Hip Hop Angolano, “Intelektu” para fazer parte do seu projeto “Boom in Bap” Bons Liricistas, participou com a faixa “A Mudança Está Em Nós” música essa, que foi bem recebida, pelo movimento Hip Hop e público no geral.

Em abril de 2016 a “Rede Zero Fundação” fez o lançamento oficial do álbum Até Que Enfim nas lojas on line, e posteriormente efetuaria a venda do Cd físico no dia 21 de maio, não lhes foi concedida a autorização de venda em território nacional, ou seja parque da independência, por sua vez, optaram por fazer a venda, do álbum em formato digital, em Portugal, em algumas lojas Fnac, o álbum em menos de seis meses esgotou.O Rapper na sua conta pessoal, conta com dois vídeos clipes já gravados, vídeo da Track Será e da Track Auto Reverse.

O “Rapper e Ativista” atualmente encontra-se a residir, na “República da Alemanha” está fazer o curso de Direito.

Pagina Oficial: marshall mc de essência
Instagram : marshall-mc-de-essência
Facebook: Irmão João carlos

Fonte: Rede Zero Fundação

Comentários

Sobre Underground Lusófono

HipHop/Rap Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, Portugal,Timor-Leste, São Tome e Principe.

Além disso, verifique

MCK Feat. Flagelo Urbano & Kool Klever – Apartheid Social

Apartheid Social é um dos temas do álbum Valores de MCK, a faixa conta com …

%d bloggers like this: