Início / Underground Lusófono Entrevista

Underground Lusófono Entrevista

Junho, 2017

  • 28 Junho

    Underground Lusófono Entrevista: Mona Dya Kidi

    Boas pessoal! Trago-vos mais uma entrevista inédita, desta vez com o mestre-de-cerimónias e empreendedor social angolano Mona Dya Kidi. Quem é o Mona Dya Kidi? Um Rapper angolano que como cidadão impõe-se para ajudar a fazer de Angola um País melhor para todos. Resumiu o seu propósito de vida nas três seguintes frases: Despartidarização de consciências; exercício de cidadania e …

  • 5 Junho

    Underground Lusófono Entrevista: Expavi

    Boas pessoal! Trago-vos mais uma entrevista inédita, desta vez com o rapper Cabo-verdiano Expavi, nome artístico de Jair Almeida, considerado por muitos um dos melhores rappers crioulos, autor dos álbuns “A Luta Kontinua”, “História k nunca ess contob”, “K1 class da gaita” e “Guerra Santa”. Quem é o Expavi? Expavi é o simples Africano com Rap Criolo das Ilhas que …

Março, 2017

  • 22 Março

    Underground Lusófono Entrevista Boy Killa

    Boas pessoal! Trago-vos mais uma entrevista exclusiva, desta vez com o rapper brasileiro Boy Killa Quem é o Boy Killa? Um sobrevivente, um cara persistente e que não se cansa de lutar pelos seus objetivos. O porquê do nome artístico Boy Killa? Boy eh um apelido de infância, colocado por um primo quando eu ainda tinha 6 anos de idade. …

  • 6 Março

    Underground Lusófono Entrevista Menestrel

    Boas pessoal! Trago-vos a primeira entrevista do ano (2017) com o rapper Brasileiro “Menestrel“. Quem é o cara por detrás do Menestrel? Um cara sonhador, de fato. Um cara que ama o que faz principalmente. Um cara que ainda está se conhecendo, acho que tudo que eu sei sobre mim hoje é que eu sou um cara esperançoso com o …

Abril, 2016

  • 29 Abril

    Underground Lusófono Entrevista: Free Lady

    Trago-vos mais uma entrevista exclusiva, desta vez com a rapper cabo-verdiana “Free Lady”. O porquê do nome artístico ”Free Lady”? Inicialmente o meu nome artístico era TSUNAMI, nome que surgiu quando juntei-me ao grupo Esposas do Rap, onde os meus amigos diziam que a mensagem que eu transmitia era como tal, palavras que “destruíam” tudo pela forma como eu as …