Home / Entrevistas / Underground Lusófono Entrevista: Lucyfer

Underground Lusófono Entrevista: Lucyfer

Trago-vos mais uma entrevista exclusiva, desta vez com o rapper Luso-angolano “Lucyfer”.

Underground Lusófono Entrevista: Lucyfer
Quem é o “Lucyfer”?
Lucyfer e apenas um anjo que segue a palavra de Deus e vive a sua vida da melhor forma que pode, sou uma pessoa crente e conheço a biblia, qualquer pessoa que a conheça também sabe que lucyfer era um anjo de Deus, a sua decisão e que fez mudar o seu nome mas quando ele era Lucyfer era fiel a Deus assim como eu sou.
Donde surgiu a ideia de pores “Lucyfer” como teu nome artístico?
O nome foi me dado por um dos meus maiores tropas que Deus já levou, o Amadinho disse isso pela influencia que tinha nas ruas e hoje em dia entendo cada vez mais. No entanto neste momento estou a usar o nome Lucy para não chocar quem não entende a bíblia ou o teor religioso do meu nome, de qualquer forma sou apenas um homem a tentar ser o melhor que pode nada mais.
Como e quando surgiu a tua paixão pelo rap?
O rap entrou na minha vida na povoa de Santo Adriao, a escola onde andei era mais um ghetto que escola e nos partilhávamos opiniões e interesses. Comecei a ouvir rap e nunca mais deixei ate hoje , e um estilo que chama por mim, e como vivi muitas das coisas que ouvi da boca de Mobb deep, Wu Tang, entre outros faz sentido o rap mais que outro estilo.
O que é que te incentivou a fazer rap?
Nada me incentivou a fazer rap, a uma dada altura senti a necessidade de escrever o que passava e assim o fiz.
Quais foram as tuas influências?
Grupos americanos e o estilo de vida deles, Mobb deep e Wu Tang foram os mais directos . passava 18h na rua quase a fazer tudo e mais alguma coisa e eles eram a banda sonora da minha vida.
Donde vem a tua inspiração?
Da minha vida e da dos mais chegados a mim, vivemos muito mesmo, e espero ainda ter muito mais para contar.
Quais foram as dificuldades que tiveste no inicio da tua Carreira?
Foram em termos de sitio para gravar e poder divulgar a minha musica, em 2002 não havia as facilidades de hoje que qualquer um pode gravar a sua cena, de resto sempre tive apoio de tropas e família, algo que estou grato.
 
Sabe-se que estás a trabalhar no teu 1º álbum intitulado “Um Passo A Frente”. O porque do nome “Um Passo A Frente”?
O nome é porque eu penso que por tudo que vi, passei e vi passarem faz me ter um conciencia diferente das situações. Cada um faz a sua musica e pensa o que quiser dela, da minha penso que como digo o que quero dizer sem vergonhas ou tabus estou no caminho certo.
Qual é a mensagem que procuras transmitir para os portugueses e angolanos neste álbum?
Sou 100% angolano mas vivi a minha vida inteira na Tuga, por isso vão sentir ambas as partes no meu cd. O amor pela minha terra e as dificuldades da tuga, o bom tempo passado em Odivelas tal como no Huambo e em Luanda. Vai ter tudo de mim no álbum.
O que podemos esperar deste álbum em termos de Flow, Participações e Produções?
O meu flow não muda, sou rap street digo o que tenho a dizer em cima dum beat. As participações vão ser dos rapazes do meu grupo, Halloween, Lennox, PT, Yak e Kapataz. Produção fica a cargo do PT, Lennox e Halloween, vai ser bomba.
O álbum sairá nas ruas sob selo de que Editora/produtora?
O álbum vai sair independente em Portugal, em Angola vai sair com parceria que depois vou avisar o pessoal. Ainda estamos em negociações.
Já há previsões para o lançamento?
Estou a apertar para sair antes do fim do ano, é o objectivo.
Fala-nos um pouco da Mentes Criminosas e ODC Gang, como e quando surge no movimento hiphop Tuga? O clã está constituído por quantos elementos?
Mentes criminosas e o meu grupo inicial e ate hoje com o Lennox, Dog bone e 1st lady, desde 2002, lançamos o nosso primeiro trabalho em 2009 chamado cara ou coroa, demos vários shows por Portugal durante dois anos ate uma pausa. 2011 surge odc gang que e uma junção de compadres. Foi algo natural decidido num concerto das duas tropas, e como sempre fomos amigos saiu natural. Lançamos o álbum escumalha em 2012 e foi uma bomba para o rap não so tuga mas em todo o lado.
Como descreves a situação actual do hiphop feito na Tuga?
Não faço hip hop faço rap, e não ligo muito ao que os outros fazem. Estou focado no meu trabalho e dos meus companheiros. Sou desligado do que me rodeia, se as pessoas não me mostrarem os sons ou projectos dificilmente procuro.
Para terminar deixa uma linha de freestyle escrito para o pessoal que acompanham o underground Lusófono
O que faço sai da alma e coração
Se tu irmão estas na mesma direcção
Bom porque senão solto a odc coligação
peace

Faça download das 5 faixas promocionais do álbum “Um Passo A Frente”.

Para mais informações visitem as páginas do Artista:
Facebook.com/LucyferMentesCriminosasOdcGang | SoundCloud.com/lucy-odc-gang | Instagram: @lucy_odc_gang.

Comentários

About Underground Lusófono

HipHop/Rap Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, Portugal,Timor-Leste, São Tome e Principe.

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: