Home / Notícias / Inspirado nos “guetos”, hip hop se destaca como marca cultural brasileira

Inspirado nos “guetos”, hip hop se destaca como marca cultural brasileira

Inspirado nos "guetos", hip hop se destaca como marca cultural brasileira
Assim como a bossa nova ou o samba, o hip hop já pode ser considerado uma das marcas culturais do Brasil, afirmou nesta quinta-feira o assessor especial para esse movimento artístico da Secretaria de Estado da Cultura de Sao Paulo, Marcio Santos. “Hoje o hip hop brasileiro é uma marca do país. Quando os governos discutem políticas públicas, o hip hop é uma referência no Brasil, porque é uma cultura que salva vidas”, disse Santos em entrevista à Agência Efe. Na função desde 2008, Santos ocupa um cargo que, segundo ele, quase não existe no Brasil: assessor especial de Cultura hip hop em um governo regional.
Assim como os “guetos” de cidades como Nova York e Los Angeles, o movimento hip hop brasileiro surgiu nas ruas da periferia e do centro de São Paulo em 1984, com a divulgação do ‘breakdance’.
O período foi importante para a formação e ocupação dos ‘rappers’ e dançarinos na estação São Bento do metrô de São Paulo, lugar onde surgiram bandas e artistas como os já consagrados Racionais Mc’s.
Passados 30 anos desde o início desse movimento, Santos lembrou que atualmente “70% dos jovens paulistas está vinculado de alguma forma ao movimento hip hop”, integrado por quatro elementos: a dança, o MC, o DJ e a cultura do grafite.
Apesar de a inspiração das comunidades negras brasileiras terem sido as americanas, para Marcio Santos, o Brasil, segundo país do mundo em importância nesta cultura, tem seu próprio perfil.
“Nosso hip hop é totalmente diferente do americano. Recebemos a cultura de lá pela questão negra e porque ela discute a política étnico-racial. Mas no Brasil ele tem suas próprias características, se mistura com o samba e ritmos regionais”, contou.
Um exemplo é Zé Brown, rapper de Pernambuco que incorporou a cultura dos trovadores e repentistas do nordeste e estará presente no sábado no 8º Encontro Paulista de Hip Hop no Memorial da América Latina.
Para Santos, o hip hop não é apenas um “simples movimento”, e sim um “universo” que inclui a luta política e reivindicações sociais em comunidades marginalizadas.
“Digo sempre que o hip hop é um salva vidas que apresenta a cultura a jovens que poderiam ter optado pelo mundo do crime ou das drogas. É um movimento que dá voz à juventude e obrigatoriamente tem que ser levado em conta para decidir políticas públicas”, avaliou.
As principais referências em termos de música dentro do movimento hip hop são Criolo, Rashid, Emicida e Racionais Mc’s.
O caminho traçado por esses músicos e outros artistas do movimento será gravado no sábado, no encontro paulista de hip hop, com shows, debates, apresentações artísticas, acrobacias e o lançamento do livro “Favela Toma Conta 2 – A Literatura e o Hip Hop Transformaram Minha Vida”, de Alessandro Buzo.

Fonte: Yahoo! Noticias

Comentários

Sobre: Underground Lusófono

HipHop/Rap Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, Portugal,Timor-Leste, São Tome e Principe.

Leave a Reply

%d bloggers like this: